Image 03

* Pe. Djacy Brasileiro.

@PadreDjacy SEGUE VOCÊ.
Padre no sertão-PB.
Filho do vale do Piancó.
Formado: Filosofia e Teologia.
Sonho: Povo liberto da alienação política/religiosa.
Paixão: Causas Sociais

APELO DRAMÁTICO DE PASTOR EM NOME DAS VÍTIMAS DA SECA.

1234334_10201334301632584_308528163_n

   

Como sertanejo e padre, lanço um grito pungente pedindo socorro às autoridades deste país, no sentido de socorrer o Nordeste que se agoniza com uma seca cruel, jamais vista na região. A cada ano a estiagem devora, trazendo gravíssimas consequências para a sua população.

No sertão paraibano, caminhamos para uma tragédia humanitária. Quase todos os reservatórios estão secos. A água acabou. A sede é uma realidade em quase todas as cidades do sertão. O clamor do povo é grande. O desespero toma conta. Não sabemos mais onde buscar água para beber.

Que o governo federal priorize, com URGÊNCIA, a conclusão do projeto de transposição, o que será uma grande alternativa para amenizar o drama do povo nordestino.

Se não houver inverno no próximo ano, e as águas do rio São Francisco não chegarem, poderá haver uma tragédia humanitária sem precedência na historia do Nordeste.

 

Com-Padre Djacy Brasileiro.

logo o diario zap

Continuar Lendo

Padre Djacy lança cartilha nas redes sociais com orientações ao sertanejo sobre o voto

padredjacy(1)

   

O padre Djacy Brasileiro, pároco do município de Pedra Branca, no Vale do Piancó, Sertão da Paraíba, divulgou nesta quarta-feira (15) nas redes sociais uma cartilha com orientações ao sertanejo para como votar para prefeito e vereador nas próximas eleições.

Padre Djacy ficou conhecido nacionalmente depois de acampar com uma cruz de lata em frente ao  Palácio do Planalto pedindo providências e denunciando o estado de calamidade vivido pelos habitantes de sua região, devido à seca cíclica no Nordeste brasileiro.

Defensor da Transposição do Rio São Francisco para que o sertanejo da Paraíba possa ter amenizada a problemática social causada pelos longos períodos de estiagem, padre Djacy faz campanhas para ajudar as vítimas nos locais onde a falta de água é gritante e está sempre denunciando o abandono social a que essas pessoas estão submetidas.

Segue cartilha divulgada pelo Padre Djacy.

EIS MAIS UMA CARTILHA DE ORIENTAÇÃO POLITICA. VEJAM-NA

COMO VOTAR PARA PREFEITO E VEREADOR

Queira votar bem, escolhendo com muita responsabilidade seus futuros representantes municipais. Para isso, siga as seguintes orientações.

SERTANEJO (A), conheça bem os seus candidatos para prefeito e para a Câmara municipal de vereadores. Veja como é a sua vida na comunidade, se é presença constante ou presença relâmpago, se são preocupados com os problemas existentes no dia a dia do seu município e têm compromissos com a libertação integral das pessoas mais pobres. Cuidado, as aparências enganam!

SERTANEJO (A), pergunte por que candidato “A” ou “B” quer ser prefeito, vereador. Quais são suas intenções, suas propostas de governo. Questione com seus familiares, seus vizinhos, seus amigos, o seguinte: será que aquele candidato que veio pedir nosso voto quer o poder como meio para ganhar dinheiro, regalias, mordomias, ou visa o bem-estar da nossa comunidade? Muitos buscam o poder pelo poder.

SERTANEJO (A), cuidado com os políticos relâmpagos ou meteóricos. Essa gente só aparece na cidade ou nas comunidades rurais somente em tempo de eleição prometendo o céu e a terra. Cuidado, não caia na lábia convincente desses oportunistas de plantão. Para eles, o que importa não é a sua pessoa, sua cidadania, suas necessidades, mas tão somente o seu voto. Cuidado com certos políticos “metidos” a santos.

SERTANEJO (A), consciente de seus direitos básicos (saúde, educação, moradia, água, segurança etc.,) vote somente em candidatos que tenham compromisso verdadeiro com sua cidade, sua comunidade rural, que visem o bem comum, o interesse do povo. Não se deixe ser manipulado ou enganado com discurso florido, angelical, marketizado. Cuidado, muitos usam a arma da mentira para ludibriá-lo. Político sério e responsável é político compromissado.

SERTANEJO (A), cuidado com os programas de governo apresentados pelos seus candidatos. Muitas vezes esses programas são elaborados por pessoas que não conhecem a realidade do seu município, de sua comunidade. Tudo é bem arquitetado, planejado minuciosamente, graças aos profissionais do marketing. Geralmente esses programas são recheados de belas promessas, mas não passam de belas promessas. A embalagem pode ser muito bonita, atraente, mas o conteúdo é vergonhoso e um dano à população.

SERTANEJO (A), não vote aleatoriamente, cegamente. Use sua inteligência, seu raciocínio. Pense antes de se comprometer com qualquer candidato. Não vote movido pela paixão, pelos brilhos festivos das campanhas, pelas as aparências físicas, pelo tradicionalismo familiar. O futuro de sua cidade, de seu sítio, está em suas mãos. Por isso, vote com muita responsabilidade. Valorize seu voto, que é sua arma cidadã.

SERTANEJO (A), não vote em políticos corruptos, oportunistas, mentirosos, hipócritas, que usam o poder político como caminho fácil para beneficiar a si próprio (enriquecimento ilícito), a seus familiares (emprego, mordomias, vida boa…) e a seus correligionários (emprego, privilégios, dinheiro). Político corrupto é sinônimo de desgraça na vida do povo.

SERTANEJO (A), estamos vivenciando uma longa estiagem. Muitos candidatos poderão querer tirar proveito dessa triste situação. Trata-se do famoso “pão e circo” ou a famosa indústria da seca. Para muitos politiqueiros, fome, sede e miséria rendem votos. Abra seus olhos, fique atento para esse tipo de coisa. Cuidado com os espertos, com suas promessas e festas. Diga um não à indústria da seca!

SERTANEJO (A), não comercialize seu voto, que é sua arma. Vender ou trocar voto por quaisquer coisas (feira, material de construção, passagens, óculos, ataúde, remédio, roupa, presente, areia etc.) é um grave atentado a sua dignidade, a sua cidadania, além de ser crime eleitoral. Sertanejo sério, honesto, responsável não vende ou troca seu voto. Cuidado para não cair nessa tentação diabólica. Vender voto é coisa do diabo, não deve ter perdão. Vender ou trocar voto, além de ser crime, é pecado. Vender voto leva para a cadeia e para o “inferno”.

SERTANEJO (A), candidatos que compram votos na calada da noite, ou em pleno dia, não têm compromisso com a população. Políticos compradores de votos têm como único objetivo o poder pelo o poder, para dele desfrutar das muitas mordomias. Se por acaso, algum candidato quer negociar o seu voto, grave a conversa, tire fotos, depois denuncie à Justiça eleitoral. Denuncie a compra ou troca de voto.

SERTANEJO (A), não se deixe ser tratado como boiada, massa de manobra. Diga um Não ao voto de cabresto. Você não é animal. Diga um NÃO ao coronelismo. Ninguém manda no seu voto. Você é livre, por isso, vote sem medo no seu candidato ideal. Nem prefeito, vereador nem cabo eleitoral, seja quem for, é dono do seu voto. Quem manda no voto é o próprio eleitor. Seja livre para votar em quem quiser. O voto é secreto e dado livremente.

SERTANEJO (A), cuidado com os famosos cabos eleitorais. Não caiam na sua onda. Abram seus olhos. Eles são espertos. Prometem o céu e a terra. Esses cabos eleitorais ganham muitas coisas dos seus candidatos: dinheiro, emprego etc. E você, o que ganha? Nada. Cuidado com os espertalhões.

SERTANEJO (A), cuidado com aqueles políticos que vivem fazendo festas, campeonatos, shows, visando arrecadar alimentos, remédios etc., para os pobres. Esses são os verdadeiros enganadores, oportunistas, que visam ganhar seu voto com essas ações “beneficentes”. São verdadeiros assistencialistas que não querem combater as causas que levam à fome, à miséria etc. São os famosos aproveitadores do sofrimento do povo. Para políticos assistencialistas, quanto mais sofrimento e miséria, melhor.

SERTANEJO (A), seja bem esperto. Na véspera da eleição aparecem os familiares dos candidatos nas suas casas, nos seus locais de trabalho, querendo conquistar seu voto. Muitos moram na capital ou em outras cidades grandes, vivem na mordomia, não sabem o que pobreza, sofrimento. Cuidado com os mauricinhos e patricinhas. Essa gente fina, do nariz empinado, só vai a sua casa, à sua comunidade pobre, na véspera da eleição, depois vão embora para as suas mansões etc. A elite política não pensa no povo, mas no poder e suas regalias.

SERTANEJO (A), faça o seguinte questionamento: por que muitos políticos visitam minha comunidade só em tempo de campanha eleitoral? Quando na minha comunidade faltavam médicos, dentistas, água, escolas, segurança, saneamento básico etc., onde estavam esses ditos políticos? Eles agora estão aparecendo com suas promessas de mil maravilhas. Por quê?

SERTANEJO (A), se na sua cidade ou comunidade, a Saúde não funciona com convém, Educação de qualidade não existe, a violência assombra, a corrupção é escancarada, o esgoto corre a céu aberto, o povo não tem qualidade de vida, a fome, a sede e a miséria reinam etc. de quem é a culpa, do gestor, ou sua, que não soube escolher? Pense antes de escolher seu candidato.

SERTANEJO (A), dê um basta à dependência, à humilhação. Troque os verbos pedir e humilhar pelos verbos exigir, cobrar, reivindicar, lutar. O prefeito nada faz por caridade ou favor, porque é bonzinho, mas por estrita obrigação. Você é cidadão (â), portador (a) de plenos direitos. Exerça sua cidadania, lutando pelos seus direitos.

SERTANEJO (A), o que o (a) leva a participar de carreatas, comícios, correr atrás de trio elétricos, carregar bandeiras, adesivos dos seus candidatos? O que está por trás dessa participação ativa? Você corre atrás dos candidatos visando melhorias para seu município, sua comunidade, ou por interesse meramente pessoal, familiar? Já parou para refletir sobre isso? Cidadão consciente não pensa em si, mas na sua comunidade.

SERTANEJO (A), após as eleições, você tem um compromisso com sua cidadania, com seu município: exija dos seus eleitos (prefeito, vereadores) compromisso, trabalho, responsabilidade, transparência e seriedade com a coisa pública. Exija aplicação correta e honesta dos recursos públicos. Não aceite desmando político-administrativo (corrupção, abandono…). Seja um (a) cidadão (â) exigente e fiscalizador, para isso, use as redes sociais ou outros meios de comunicação social.

OBSERVAÇÕES IMPORTANTES

SERTANEJO (A), o objetivo da Lei 9.840/99 contra a corrupção eleitoral é punir com a perda de mandato ou da candidatura, os políticos que tentarem comprar votos ou que utilizarem a máquina administrativa em benefício de campanhas eleitorais.

a) O artigo dessa lei condena a compra de votos, tratando-a como crime eleitoral; b) “É proibido ao candidato prometer, oferecer, doar ou entregar ao eleitor, com o fim de obter-lhe o voto, bem ou vantagem pessoal de qualquer natureza…”. c) “Caso tenha conhecimento e provas cabais (fotos, testemunhas, documentos, bens utilizados para a prática do ato etc.) de compra de votos, denuncie ao Ministério Público eleitoral ou à procuradoria regional eleitoral”.

   

Sertão da Paraíba, em 15 de junho de 2016

Padre Djacy Brasileiro

E-mail: padredjacy@hotmail.com @Padredjacy 

 
 
 

Portalpatos

LOGO-SITE-WHATSAP41

Continuar Lendo

Vale do Piancó se encontra assombrado com tanta violência

drqukwn0a2bj17eq9dxl15rwp

     

Com a onda de violência que vem tomando parte do cotidiano do sertanejo, o Padre Djacy Brasileiro, resolveu expor sua preocupação da sociedade, e exigir das autoridades responsáveis, mais segurança.

Os crimes são diversos, entre eles: lesão corporal, assalto, violência doméstica, tentativa de homicídio, até duplo homicídio, e roubo a banco, casa lotérica, sem que não haja uma resposta satisfatória a sociedade que sente na pela a sensação de vulnerabilidade no dia-a-dia.

Por enquanto, os crimes registrados envolvem pessoas das periferias.

Mas, quando essa criminalidade atingir direto uma pessoa da sociedade, gente rica, bem quista, de alta posição será que vai haver um clamor de insegurança de fato?

Por enquanto, apenas os miseráveis e marginalizados são abatidos no meio da rua, a qualquer hora nesta Paraíba de meu Deus, sem qualquer ação efetiva da Polícia, quer Militar, ou Civil, essa última, responsável direta de investigar e prender os suspeitos.

Levando em consideração essa “guerra civil”, o Padre Djacy Brasileiro, sertanejo do Vale do Piancó, lutador pelas causas sociais, resolveu lançar luz as trevas, e fazer um alerta, um pedido de socorro, de tantos já feitos, sobre a criminalidade no Alto Sertão da Paraíba.

“Na condição de sertanejo (Filho do Vale do Piancó) e de Padre, quero ,por meio da imprensa, chamar a atenção das autoridades responsáveis pela segurança pública para o índice elevado de violência na região do Vale do Piancó, sertão paraibano.

Estou alarmado com o índice elevado de violência. E violência em todos os sentidos. Todos os dias, ouço notícias de agressões físicas, muitas vezes de assassinatos etc. Fico assombrado com a porcentagem elevada de suicídio. Muita gente tem tirado sua própria vida. Mas o que mais me chama a atenção é a onda assombrosa de violência no trânsito, sobretudo nos finais de semana. Muitos jovens sendo vítimas de acidentes de motos, de carros.

Quase todos os dias, as manchetes são as mesmas: “Jovem sofreu acidente de moto e passa mal no hospital; Jovem acaba de sofrer grave acidente de moto e perde a vida; Jovem que sofreu acidente de moto fica paralítico.

Diante desse cenário de violência, de morte, faço alguns questionamentos: -Por que não fazer blitz, envolvendo a Polícia Militar e o Detran, nos finais de semana? -Por que não aplicar rigorosamente a Lei Seca, na região? Esse trabalho de prevenção não evitaria tantos acidentes, tantas mortes de jovens? Que neste Natal do Senhor e em todos os tempos, a vida humana seja prioridade número um na agenda de todos os governantes.

   

Padre Djacy Brasileiro, Pedra Branca-PB, em 01 de dezembro de 2014.

Continuar Lendo

Por que os pobres do Sertão paraibano amam o Papa Francisco

Depois da visita do Papa Francisco ao Brasil, fiz questão de perguntar ao povo da minha paróquia e de outras comunidades vizinhas ou não, porque o Papa era tão querido, aplaudido e admirado. Foram muitas as respostas. E todas essas respostas vieram de pessoas pobres, humildes, que carregam a cruz pesada e dolorosa do sofrimento. Foi sobretudo nas comunidades rurais, onde pude ouvir respostascomoventes, dignas de uma reflexão profunda por todos os pastores católicos, que se dizem missionários do Senhor. Particularmente, confesso, fiquei comovido com o que ouvi da boca das pessoas marcadas pelo drama da pobreza, da exclusão, da injustiça social etc. a respeito desse grande Papa profeta davida, da justiça e da paz. Vejam o que disseram sobre o Papa Francisco. Transcreverei as respostas, respeitando a linguagem peculiar dos irmãos sertanejos. -Esse Papa veio do céu para amar a gente. Ele é bom demais, nunca vi Papa assim como esse. Ele é demais. Pense num Papa bom para nós pobres? -O Papa Francisco é bom demais, só fala nos pobres, nas pessoas que passam necessidades, ele tem um coração muito grande. -Ave Maria, esse Papa veio para amar e proteger os pobres do mundo. Graças a Deus, agora temos um Papa que fala por nós. -Padre Djacy, esse Papa foi enviado por Deus para falar pelos os pobres. O senhor nem sabe como estou feliz com esse novo Papa. -Eu gosto dele porque é humilde, pega na mãos das pessoas, não tem besteira,orgulho,vaidade. Ele é igual a Frei Damião e ao padre Cícero. -Seu Padre, vou falar a verdade, tenho73, nunca vi um Papa tão humilde,simples,do povo. Meu Deus,esse Papa vai ser nosso defensor, nossa esperança. -Gostamos do Papa Francisco porque ele vive o evangelho, ama os pobres, osdoentes, fala de vida, deamor, de libertação. -Esse Papa, se não mudar, por causa do poder, ele vai incomodar muita gente que tem poder, inclusive da Igreja. -Sei não, mas tenho impressão que o Papa Francisco veio como um enviado de Deus para libertar os pobres dos seus sofrimentos. -Padre Djacy, ontem vi na televisão o papa Francisco entrando numa favela para visitar uma família. Ele falou com todo mundo. Ele é humilde mesmo. É assim que a gente gosta. -No dia que o Papa visitou uma favela eu fiquei pensando: por que os padres não visitam os pobres, as casas da gente? Por que eles não fazem como esse Papa, que ama os pobres, abraça as pessoas, beijam as crianças? -Quando o Papa estava no Brasil,eu não saia da televisão, achando tão bonito o Papa abraçando as pessoas, beijando as crianças, visitando uma favela, falando de Deus e rezando… -Com esse Papa dando exemplo de humildade e simplicidade, espero que os bispos,padres,freiras, façam a mesma coisa que o Papa. -Eu amei o Papa, chorei quando ele foi embora. Meu Deus, tãobonzinho, tãohumilde, tãosimples. Chorei quando vi o Papa entrando no avião. Esse Papa merece o respeito e o amor do mundo todo. -Um Papa como esse, só se for no céu. Eleé um profeta que fala em defesa dos humildes, dospobres, dosmarginalizados, dos sem vez e sem voz. Espero que a Igreja siga o exemplo do Papa Francisco. -A Igreja Católica perdeu fiéis porque muitos padres não estão nem aí com as pessoas sofridas, necessitadas, que passam todo tipo de necessidade. Espero que todos sigam o exemplo desse Papa que fala por nós. -Bom,o que eu observo é que esse Papa fala a linguagem do povo, uma linguagem que dá para todo mundo entender. Ele fala bem claro e objetivo. Ele vai direto ao assunto. Ele não tem rodeio, seu padre. -Eu penso que esse Papa vai fazer uma grande mudança na vida da Igreja Católica, a começar por cima. -Se não fosse Papa Francisco, meuDeus, nem sei o que seria dessa nossa Igreja Católica. A coisa tava feia mesma, entendeu padre? -Ele é de Deus mesmo. O homem é simples demais. Rejeitouluxo, carro de luxo, quarto de luxo, ele até carrega a mala na mão. -Eu amo esse Papa porque ele ama e defende os pobres. Ele é dez. Os pobres estão felizes com esse Papa abençoado. -Ele parece com Dom Hélder. Dom Helder era do povo, defendia o povo, falava pelo o povo.Eu era do sindicato dos trabalhadores, e assisti muitas reuniões com ele. Esse bispo que defendia o povo. O Papa Francisco parece que foi mandado por Deus e Dom Hélder. -Esse Papa é uma benção, ele transmite muita paz, amor e alegria. Parece que é um anjo de Deus na terra. Estou tão feliz com esse Papa pobre, humilde, do povo. -Padre Djacy, eu vi pela televisão ele dizendo que os Bispos e os Padres eram para ficar no meio do povo, ir para rua, periferia. Parece que não me engane, ele disse que os Bispos eram para ter cheiro do povo. Foi mais ou menos assim que eu ouvi na televisão. Todas essas respostas demonstram que o povo sofrido de Deus tem fome e sede de pastores-Papa, Bispos e Padres – profetas comprometidos com sua libertação, a exemplo de Jesus Cristo, que passou a vida defendo os excluídos, os marginalizados, de sua época: “eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância”.

Padre Djacy Brasileiro, em 08 de agosto de 2013.

Continuar Lendo

‘Bingos e rifas viraram sinônimos de exames médicos’. Entrevista com Djacy Brasileiro

“Com a vinda dos médicos estrangeiros, tenho a absoluta convicção de que as pessoas humildes terão assistência médica em qualquer hora do dia ou da noite”, diz padre que atua no sertão da Paraíba.

20130830_ihu1

“Na minha caminhada de padre por este sertão paraibano, tenho presenciado cenas dramáticas de pessoas gritando por socorro médico, e nada de atendimento. Só quem vive com o povo pobre sabe de sua dor, de seu sofrimento, de seu desespero na hora da doença”, relata o padre Djacy Brasileiro, pároco na cidade de Pedra Branca-PB, no alto sertão paraibano. Favorável ao Programa Mais Médicos, que pretende “levar médicos para regiões onde há escassez e ausência de profissionais”, conforme informa o Portal da Saúde do governo federal, padre Djacy diz que o estado da Paraíba irá receber “51 médicos pelo Programa, sendo 47 brasileiros e quatro estrangeiros”.

Ele avalia que para “uma revolução na saúde pública” da região, formada por 21 cidades, seria necessária a vinda de “uns mil médicos do programa mais médico”. E assevera: “seria uma grande felicidade para a população sofrida”.

“Testemunha ocular dessa realidade desumana”, padre Djacy, na entrevista a seguir, concedida por e-mail à IHU On-Line, relata a situação da saúde pública na Paraíba e menciona que além da “falta de hospitais com toda a estrutura indispensável para seu bom e eficaz funcionamento, faltam profissionais especializados em quase todas as áreas”. Segundo ele, “os governantes nunca investiram pesadamente em política de saúde pública. Parece que saúde para o povo pobre nunca foi prioridade para os detentores do poder”. E acrescenta: “É lamentável que famílias e amigos de alguns pacientes façam bingos, rifas, visando adquirir dinheiro para pagar um exame ou uma cirurgia. Isso acontece muito no sertão paraibano. Bingos e rifas viraram sinônimos de exames médicos ou cirurgias”.

Padre Djacy Brasileiro é graduado em Filosofia e Teologia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras – FAFIC.

Confira a entrevista.

IHU On-Line – Por que o senhor é favorável ao Programa Mais Médico do governo federal?

20130830_ihu2

Djacy Brasileiro - Sou favorável ao Programa Mais Médicos do governo federal por várias razões: a população pobre, que reside no interior ou nas periferias das grandes cidades, não tem assistência médica como convém; muitas pessoas buscam desesperadamente socorro médico, e não têm atendimento. Na minha caminhada de padre por este sertão paraibano, tenho presenciado cenas dramáticas de pessoas gritando por socorro médico, e nada de atendimento. Só quem vive com o povo pobre sabe de sua dor, de seu sofrimento, de seu desespero na hora da doença. Nos lugares pequenos, pobres, atrasados, distantes, a ausência de médicos é uma realidade. Quando o médico aparece para dar seu plantão, isso é notório. O atendimento é feito correndo, e os pacientes são atendidos muito mal. Já ouvi diversas vezes comentários assim. Algumas pessoas dizem que às vezes o médico não deixa nem falar, vai logo passando o medicamento. Um tempo desse, uma pessoa me falou: “padre, fui consultar e o médico não me examinou, mal olhou para mim. Saí do posto de saúde pior, com raiva, triste”. IHU On-Line – Como a situação da saúde pode melhorar com a vinda de médicos brasileiros? Djacy Brasileiro - Com a vinda dos médicos estrangeiros, tenho a absoluta convicção de que as pessoas humildes terão assistência médica em qualquer hora do dia ou da noite. Penso que irá melhorar muito. É triste, desesperador, adoecer e não ter um médico para socorrer. Sou testemunha ocular dessa realidade desumana. Penso que os médicos do exterior haverão de atender com muita dignidade, com muito amor e atenção os seus pacientes. Com isso não estou generalizando: há muitos médicos no Brasil que são humanos, que tratam bem os pacientes. Felizmente, há essas exceções. Com um médico do Brasil ou do exterior morando na comunidade, os pobres ficarão conscientes que o socorro médico estará a seu alcance quando precisar. Estou muito animado e feliz com a vinda desses médicos, não só eu, mas toda a população sofrida deste interior pobre paraibano. Será uma benção de Deus. Uma coisa é certa: a medicina tem que ser humanizada. Os médicos devem tratar o paciente com amor, carinho, e não com frieza, insensibilidade, medo etc. IHU On-Line – Por quais razões faltam médicos no seu estado? Por que, na suaavaliação, há tanta resistência de os médicos atuarem nas cidades dointerior do país? Djacy Brasileiro - São diversas as razões: os governantes nunca investiram pesadamente empolítica de saúde pública. Parece que saúde para o povo pobre nunca foi prioridade para os detentores do poder. Hoje está melhorando um pouco, porque os cidadãos estão tomando consciência de sua cidadania, de seus direitos inalienáveis. Na minha região sertaneja falta investimento nessa área. Pouco ou quase nada é investido. São poucos os hospitais e, mesmo assim, funcionam com muita precariedade. A tecnologia avançada, ou seja, aparelhos modernos, de última geração, ainda não são uma realidade. Quando um paciente precisa fazer um exame de alta complexidade, têm que ir para Campina Grande ou João Pessoa. Além de falta de hospitais com toda a estrutura indispensável para seu bom e eficaz funcionamento, faltam profissionais especializados em quase todas as áreas. No sertão paraibano, a população sofre muito. É um Deus nos acuda. Sou testemunha dessa tétrica e desumana realidade. Muitos médicos, infelizmente, não querem trabalhar em cidades distantes dos grandes centros urbanos. Preferem ficar nas cidades maiores, talvez visando colocar suas clínicas particulares, ganhar mais, ter mais conforto etc. As cidades pequenas paraibanas são pobres, atrasadas, distantes da capital. Isso certamente contribui muito para que alguns médicos não queiram trabalhar no interior. Conheço muitas e muitas cidades onde não há médicos morando, e quando vêm a esses lugares, dão seu plantão e vão embora. Muitos médicos dizem que não vêm para o interior porque os hospitais ou postos de saúde não dispõem de estruturas. Sinceramente, não acredito nisso. Há outros motivos, claro. Infelizmente, há alguns médicos que fazem da medicina um meio fácil de adquirir status e ganhar muito dinheiro, ficarem ricos. IHU On-Line – Qual a situação da saúde na Paraíba? Como funciona o atendimento noSUS? Djacy Brasileiro - Serei bem objetivo quanto a essa pergunta. A saúde na Paraíba vai mal, e de mal a pior. Digo isso porque converso com as pessoas que necessitam de atendimento médico-hospitalar. A situação é grave. Triste, repito, quem adoecer nesta minha Paraíba. Quem é rico tem plano de saúde, vai para os melhores hospitais da capital ou das grandes cidades do país como São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília. Para esses, ainda há saída. Agora para a maioria do povo, que depende da saúde pública, que não tem dinheiro, a situação é extremamente crítica, desesperadora. Muitas pessoas madrugam em busca de uma consulta médica. É lamentável que famílias e amigos de alguns pacientes façam bingos, rifas, visando adquirir dinheiro para pagar um exame ou uma cirurgia. Isso acontece muito no sertão paraibano. Bingos e rifas viraram sinônimos de exames médicos ou cirurgias. Quem não tem dinheiro para pagar uma tomografia ou ressonância magnética, por exemplo, tem que recorrer a bingos ou rifas. Essa é a realidade. IHU On-Line – Quantos médicos são necessários para atender a população da Paraíba? Djacy Brasileiro - A região onde moro é composta de 21 cidades. Em todas elas deveriam ter médicos fixos, residentes. Na Paraíba, se viessem uns mil médicos do programa mais médicos seria uma grande felicidade para a população sofrida. Seria uma revolução na saúde pública. IHU On-Line – Algum médico estrangeiro já foi realocado em seu estado? Quantosmédicos devem atuar na Paraíba?             Djacy Brasileiro - Segundo informações, a Paraíba receberá 51 médicos pelo Programa, sendo 47 brasileiros e quatro estrangeiros. Que Deus abençoe o Programa ‘Mais Médicos’. Avante!  

Continuar Lendo